Face a face

Velha amiga Solidão,
te orgulha como ganha a vida?
Tornando a existência dos sábios
e dos loucos
assim, confusa e sofrida?

Quando chega à casa
nefasta tenda em meio ao nevoeiro
consegues deitar na tua cama de mágoas
e repousar a cabeça no travesseiro?

Qual o céu que tu olhas?
Para que sol, que tu nunca conhecera?
Que te fizeram, nobre amiga
para ser assim tão sorrateira?

És um espírito sofredor
que inveja minha alegria!
Nunca verás através de meu olhos
a luz que, ainda assim, me guia.

Queres sentir e nutrir
com teu afane absoluto
fazendo que minhas palavras todas
sejam ora santas, sejam ora insulto.

Ah solidão querida!
Me deixa ir…
Procura outro moribundo
que possa te servir.

E me deixa por fim viver
sem sentir aquela angustiante sensação…
de que como o meio pertenço a tudo
e como espírito sou só ilusão.

Publicado por Nivartan

Considero-me um observador cuidadoso, otimista racional, de humor volátil, mas que vem trabalhando o amor em todas as suas possibilidades, buscando sempre ser honrado, justo e valente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: