Blackbird

Meu poema é um pássaro negro
que quando alça voo
o céu se cobre de nuvens cinzas
e seu voo alimenta meu verso,
meu texto, minha rima
tudo que eu começo ele finda
e põe-me a escrever

Vejo nesta pedra de mármore
teus olhos a fitar-me
com vazio eterno
onde antes era amor paterno
e nem mesmo vestido
na mais bela mortalha
pai, tu perdeste a batalha
e eu senti ter perdido a guerra

Meu poema é um pássaro negro
empoleirando meu coração
finalmente só, amo a solidão
e o silêncio que traz a sua trovoada

E imitando seus passos
e mergulhando
em minha mais profunda
melancolia
meu choro alivia
e minha solidão, enfim,
é consolada

Meu poema é um pássaro negro
cavaleiro do apocalipse
debruço-me exaurido
de ser por todos e por mim
quem disse que seria assim
não faz a menor ideia desse fardo

Sou criança
e fizeram comigo uma maldade
tiraram sem perceber
o cadeado que prendia a ave
e obrigou-me a escrever

Há em mim um pássaro negro
que antes mesmo de mais nada
aponta todas as minhas falhas
e por isso deixo-o viver

Publicado por Nivartan

Considero-me um observador cuidadoso, otimista racional, de humor volátil, mas que vem trabalhando o amor em todas as suas possibilidades, buscando sempre ser honrado, justo e valente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: